Você abriria mão de sua essência para estar com quem ama?

Passei minha vida tentando me encontrar e me reconhecer nas outras pessoas, uma vida baseada em: eu te amo e vou tentar me adaptar.
A verdade é que no fim, o amor até releva as diferenças, faz parecer que tudo é aceitável até cruzar com os primeiros percalços, até se debruçar nos primeiros laços de dúvidas.
Amar é subjetivo, um sentimento que sofre diversas modificações de acordo com a cultura, a disposição, a percepção do que é sentir. O que pode ser amor para um, não passa de um gostar mais forte para o outro e assim por diante. Amor, muitas vezes, é superestimado.

Amor é o que você sente sem que ninguém mais esteja sentindo isso de volta e mesmo assim, busca-se a contrapartida.

Queremos ser aceitos, ainda mais se essa aceitação vier de quem amamos, é natural, é previsível, amamos e gostaríamos de ser correspondidos, na mesma proporção e intensidade que sentimos. C´est la vie!

Mas cá entre nós, será que amar vale mesmo isso tudo? Se a pessoa que você ama não aceita seu jeito de ser, sua maneira de pensar e tenta moldar o relacionamento de forma que você se anule para viver ao lado dela, vale a pena continuar lutando para estar junto com essa pessoa?

E a grande pergunta, você abriria mão da sua essência para estar com quem ama?

Ceder faz parte de qualquer relacionamento, estar com alguém só porque ela me faz suspirar já não cabe mais no meu bolso, preciso de bem mais do que amar alguém para estar junto, preciso ser aceita e preciso que o amor que exista seja forte o suficiente para superar as diferenças.

Já abri mão demais de quem eu realmente sou para ouvir eu te amo, já abri tanto que esqueci de me lembrar o quanto é importante me amar. Talvez essa seja a real definição para “antes só do que mal acompanhado”, quando alguém passa amar a sua essência e não o espelho do que ela imagina que você possa se tornar.

Eu não abro mão da minha essência e você?

 

 

644365_353790278035459_139317175_n

Anúncios